Var(ic)ela

Imbicto leitor,

Começo a ficar irritado. Estes últimos dias têm contribuído para a confusão geral. Hoje, para mim, revela-se um episódio que, espero, não passe disso: de um fait divers útil.

Quem já não foi puto? À excepção de Benjamin Button, não conheço ninguém – salvo os casos episódicos em que o filme foi, alegadamente, inspirado. Será, portanto, um “estranho/ curioso caso”, aquele leva alguém a ser puto com a idade. Mas acontece – talvez não nos moldes do filme, mas nos moldes da psique.  Mas existem. Existem e andam por aí… É incurável, mas, de certa forma, temporariamente controlável. E foi isso que foi acontecendo com Quaresma.

Há, no entanto, uma outra complicação que afecta milhões de pessoas: a varicela. Segundo o Manualmerk,net, a varicela caracteriza-se desta forma:

A varicela é uma infecção viral contagiosa que provoca uma erupção característica com comichão e é formada por grupos de manchas pequenas, planas ou elevadas, bolhas cheias de líquido e crostas.

A varicela, que é muito contagiosa, transmite-se por microgotas transportadas pelo ar e que contêm o vírus varicela zóster. Uma pessoa com varicela é muito contagiosa quando os sintomas aparecem e continua a sê-lo até que as últimas bolhas tenham formado crostas. O isolamento de uma pessoa infectada previne o contágio da infecção a outras pessoas que não a tenham sofrido.

Uma pessoa que tenha tido varicela desenvolve imunidade e não pode contraí-la de novo. No entanto, o vírus da varicela zóster permanece inactivo no corpo depois da infecção inicial de varicela e por vezes é reactiva mais tarde, provocando herpes zóster.

Isto é complicado… Imaginem um espaço onde o portador se junta num balneário com mais trinta indivíduos. Uns, mais resistentes que outros. Ao fim de algum tempo, em trinta, dois ou três resistem. Mantêm-se firmes, inalterados, inabaláveis. Tudo o resto foi contagiado por um único elemento.

O facto é um: a um puto, dou uma estalada, ou um abanão com uma palavra dita no momento certo e a coisa aguenta-se. O problema dele é que ninguém o atura, até chegar o momento em que, por muito atinado que tenha estado nos últimos tempos, a gota de água faz transbordar o copo e mandar o miudo sair do espaço onde está confinado com outros. Já a varicela não dá hipótese. Só tens uma alternativa: isolar. Quando estiver curado, volta.

Varela novo contrato

in O Jogo (clicar na imagem para ler a notícia)


Estará Varela “curado”? Volta “são”? O que faz mais sentido: isolar um puto convencido porque foi mimado a vida toda e a quem já ninguém liga muito ao que diz por já se conhecer a “manha”, ou trazer de volta alguém que regressa de um período de “quarentena” passageiro, mas adulto e mais consciente, como exemplo de quem sabia que, entrando num espaço comum cheio de colegas, contagiaria o resto?

Sei que as coisas não se colocam, necessariamente, desta forma. Não quero ser injusto para com nenhum deles, mas a verdade é que o exemplo serve…

O meu desejo é um: que se seja coerente, que não haja dois pesos e duas medidas e que Quaresma não tenha razão da pior das maneiras. Espero que tudo isto não passe de uma tentativa de rentabilização que, até agora, não foi, de todo, eficiente, na resolução de um problema criado por Varela. Não é, no entanto, por isso, que devemos esquecer o que já fez pelo clube, ou aceitar as ambições de alguém que é profissional.

Imbicto abraço!

Anúncios

3 thoughts on “Var(ic)ela

  1. Imbicto companheiro, pertenço ao grupo dos crédulos, dos que acham que o Padre Américo teria alguma razão quando afirmava: ” Não há rapazes maus, antes mal encaminhados” . Embora o tempo me encrustsse de cinismo q.b. e de perceber que a vida para os bons cristãos não está fácil, acredito, sinceramente, que o episódio vírico foi debelado com a respectiva vacina entretanto adquirida por vários meses de voluntariado futebolistico. Depois, todos nós sabemos, quaresmices em demasia podem tornar-se infecciosas. Com respeito pela sua imbicta opinião.

    Gostar

    1. Imbicto ega,

      Há um certo paralelismo entre o poder de propagação do efeito Quaresma e o ex-efeito Varela. Continuo a achar que é uma renovação tendo em conta a saída, mesmo acreditando que o jogador possa estar arrependido. Foi, para mim, um processo mal gerido onde até o NGP esteve mal, ao dar a entrevista que deu, “despindo” a honra do homem.

      Quanto a Quaresma, aceito que se diga que tanto merece permanecer, quanto sair, embora eu defenda a sua continuidade, mas relegado à condição que ele próprio fabricou.

      Imbicto abraço!

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s